Valletta - Catania é uma de nossas rotas mais procuradas - as travessias se esgotam frequentemente durante os períodos de maior movimento.
Dica:Não deixe para depois! Reserve agora para assegurar seu horário de saída

Por que usar
Direct Ferries?

Ferries de 3325 rotas e 764 portos no mundo todo

Mais de 2,5 de clientes confiam em nós

Nós organizamos mais de 1,2 milhões de travessias por ano

Nós verificamos até 1 milhões preços para nossos clientes todos os dias

Alternativas de ferry Valletta a Catania

Para maiores informações, por favor, visite nossa página Ferries de Malta para Sicília.

A bordo dos ferries

Operadoras de Ferry Valletta - Catania

    • 8 Travessias por semana 4 hr 15 min
    • Obter preço
    • 1 Travessia por semana 7 hr
    • Obter preço

Guia Valletta

Valletta é a capital de Malta e situa-se na parte centro oriental da ilha. A península de Valletta tem dois portos naturais, Marsamxett e o Grande Porto. O Grande Porto é um importante porto de Malta, com cais de descarga na vizinha Marsa. Um terminal de cruzeiros está localizado junto ao antigo paredão da orla de Valleta que o mestre Manuel Pinto de Fonseca construiu. Valletta tem muitos edifícios que datam do século 16, construídos durante o domínio da Ordem de São João de Jerusalém, também conhecida como Cavaleiros Hospitalários. A cidade é em grande parte barroca no caráter, com elementos de arquitetura maneirista, neo-clássica e moderna em áreas selecionadas, embora a Segunda Guerra Mundial tenha deixado grandes cicatrizes na cidade, particularmente a demolição do The Royal Opera House. A cidade de Valletta foi oficialmente reconhecida como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1980. A cidade serve como principal centro cultural da ilha e sua colecção única de igrejas, palácios e museus atraem visitantes de todo o mundo. Ela foi designada Capital Européia da Cultura para 2018.

Serviços de ferry a partir do porto partem para Catania e Pozzallo.


Guia Catania

Localizada na costa leste da Sicília, Catania é a segunda maior cidade da Sicília e encontra-se no Mar Jônico, sob a sombra do Monte Etna, ou "A Muntagna" como os locais se referem a ele. O Monte Etna está sempre presente e tem grande parte tanto na história como na existência real da Catania. Em várias ocasiões, erupções vulcânicas destruíram a cidade, a mais devastadora aconteceu no século 17. Em 1669 Catania estava coberta de lava e, apenas 24 anos mais tarde em 1693, um terremoto sacudiu a cidade até os alicerces. Situado na extremidade da praça da cidade, a Catedral dedicada a Santa Agata, a santa padroeira da cidade, fica no local de uma igreja do século 11 que foi quase totalmente destruída na erupção de 1693. A sua substituição é uma impressionante estrutura imponente, barroca, que incorpora algumas colunas romanas retiradas do anfiteatro. Estes não são os únicos elementos romanos, por baixo estão alguns banhos romanos. No interior, o tema barroco continua com várias capelas ornamentadas e um afresco que lembra o terremoto 1693. Bellini, filho mais famoso de Catania, está enterrado aqui, como também (em forma de cinzas) três reis aragoneses: Frederick II, Louis e Frederick III.